Nova Selic: é hora de mais arrojo

Atravessamos um momento histórico para a nossa economia. A redução da taxa Selic a 4,5%, patamar mais baixo da história, é um grande empurrão para que a roda da economia volte a girar em todo o país. Com essa medida, o governo sinaliza aos investidores que continuar apostando nas rendas fixas será uma perda de dinheiro.

O cenário que se avizinha exige mais arrojo por parte do investidor. O momento é de voltar as energias para outras fontes de investimento, ou seja, o investidor que estava com seu dinheiro parado no banco, esperando a maré melhorar, será incentivado a apostar em aplicações que, direta ou indiretamente, ajudam o país a crescer e gerar empregos.

Floradas Arboville: Selic estimula mercado imobiliário

Floradas Arboville, em Jacareí: Selic estimula mercado imobiliário

Este é a melhor hora, por exemplo, para investir em imóveis, abrir um novo negócio ou ampliar aquele já existente. Com isso, imobiliárias, construtoras, fornecedores e toda uma cadeia de produção deve voltar a esquentar os motores. 

Outro argumento que endossa a decisão tomada pelo governo federal é o cenário econômico externo, que mudou nos últimos meses. Há corte de juros em países como Austrália, Rússia e Estados Unidos. Ou seja, tanto o ambiente global quanto a conjuntura interna favorecem o corte de juros.

À parte das turbulências políticas, pirraças nas redes sociais e declarações afoitas dos mandatários temas que vêm povoando os noticiários -, o governo dá mostras que a pauta econômica segue no rumo mais favorável para o país. As medidas econômicas, somadas às reformas que o Brasil precisa, certamente vão nos ajudar a colocar o país em um rumo de crescimento.

Por Kiko Sawaya
Empresário, é fundador e coordenador do Desenvolve Vale

Deixe sua opinião