Campanha contra hegemonia do dólar, usado como arma geopolítica, ganha força em todo o mundo

orçamento secreto

Congresso Nacional. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Mudanças de paradigma?

Apesar de verem o processo como lento, especialistas apontam que movimento pode ser significativo

(Bloomberg) – Em todo o mundo, está se formando uma reação contra a hegemonia do dólar americano.

Brasil e China fecharam recentemente um acordo para fortalecer o comércio bilateral em moedas locais, buscando se desviar do uso do dólar no processo. A Índia e a Malásia assinaram em abril um acordo para aumentar o uso da rúpia em negócios transfronteiriços. Mesmo a França, aliada perene dos EUA, está começando a concluir transações em yuan.

Os especialistas em câmbio não ousam soar como oráculos que, embaraçosamente, já previram o fim do dólar inúmeras vezes ao longo do século passado. E, no entanto, ao observarem essa onda repentina de negócios com o objetivo de desviar do uso obrigatório do dólar, eles veem um tipo de ação significativa, embora pequena e incremental, que não era vista com frequência no passado.

Para muitos líderes globais, suas razões para tomar essas medidas são surpreendentemente semelhantes. O dólar, dizem eles, está sendo transformado em arma, usado para promover as prioridades da política externa dos Estados Unidos – e punir aqueles que se opõem a elas.

Em nenhum lugar isso foi mais evidente do que na Rússia, onde os EUA levaram uma dor financeira sem precedentes para o regime de Vladimir Putin em resposta à invasão da Ucrânia. O governo Biden impôs sanções, congelou centenas de bilhões de dólares das reservas estrangeiras de Moscou e, em conjunto com aliados ocidentais, praticamente expulsou o país do sistema bancário global. Para grande parte do mundo, esse tem sido um forte lembrete de sua própria dependência do dólar, independentemente do que pensam da guerra.

E esse é o dilema que as autoridades de Washington enfrentam: ao confiar cada vez mais no dólar para travar suas batalhas geopolíticas, eles não apenas correm o risco de prejudicar o lugar proeminente do dólar nos mercados mundiais, mas também podem minar sua capacidade de exercer influência no cenário global. Para garantir a eficácia a longo prazo, é melhor deixar as sanções como uma ameaça e não executá-las realmente, de acordo com Daniel McDowell, autor de Bucking the Buck: US Financial Sanctions and the International Backlash Against the Dollar.

“Agora, um ator racional que sabe que poderia estar nessa situação no futuro vai se preparar para esse cenário, e isso torna suas ameaças coercitivas e suas ameaças de dissuasão menos eficazes”, disse McDowell, diretor de estudos de graduação no departamento de ciência política da Universidade de Syracuse. “Talvez a mudança seja marginal agora, mas mesmo que acabe culminando em algo que não destrone o dólar”, ainda importa em como “pode reduzir o poder econômico americano”.

Sem dúvida, parte do movimento para se afastar do dólar está sendo orquestrado pela China. O presidente Xi Jinping está tentando criar um papel maior para o yuan no sistema financeiro global, e seu governo fez da expansão do uso da moeda no exterior uma prioridade.

No entanto, grande parte do esforço está acontecendo sem o envolvimento de Pequim.

A Índia – dificilmente um aliado estratégico da China – e a Malásia anunciaram em abril um novo mecanismo para conduzir o comércio bilateral em rúpias. É parte de um esforço mais amplo do governo Narendra Modi – que não assinou a campanha de sanções liderada pelos Estados Unidos contra a Rússia – para se “desviar” do dólar em pelo menos algumas transações internacionais.

Um mês depois, a Associação das Nações do Sudeste Asiático concordou em aumentar o uso das moedas dos seus membros para o comércio e investimento regionais.

E a Coreia do Sul e a Indonésia assinaram há apenas algumas semanas um acordo para promover trocas diretas de won e rúpias.

O presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva criticou o domínio do dólar durante uma visita a Xangai em abril. De pé em um pódio cercado pelas bandeiras do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, os chamados BRICS, ele pediu às maiores economias em desenvolvimento do mundo que apresentem uma alternativa para substituir o dólar no comércio exterior, perguntando “quem decidiu que o dólar era a moeda (de troca) após o fim da paridade do ouro?”

Ele estava voltando ao início dos anos 1970, quando o acordo pós-Segunda Guerra Mundial – conhecido como Bretton Woods – que fez do dólar o centro das finanças globais, estava se desfazendo. O colapso do acordo fez pouco para atenuar a posição proeminente do dólar. Até hoje, serve como moeda de reserva dominante no mundo, o que aumentou a demanda por títulos dos EUA e permitiu que o país incorresse em enormes déficits comerciais e orçamentários.

A centralidade da moeda no sistema global de pagamentos também permite que os Estados Unidos exerçam uma influência única sobre o destino econômico de outras nações.

Cerca de 88% de todas as transações globais de câmbio, mesmo aquelas que não envolvem os EUA ou empresas americanas, são em dólares, de acordo com os dados mais recentes do Banco de Compensações Internacionais.

Dado que bancos que manejam fluxos transfronteiriços de dólares mantêm contas no Federal Reserve, eles são suscetíveis a sanções dos EUA.

Embora a campanha de punições financeiras contra a Rússia seja o exemplo mais recente e de maior visibilidade, os governos democrata e republicano usaram sanções em países como Líbia, Síria, Irã e Venezuela nos últimos anos.

De acordo com um relatório recente do Centro de Pesquisa Econômica e Política, o governo Biden fez uma média de 1.151 novas designações por ano na lista de nacionais especialmente designados do Escritório de Controle de Ativos Estrangeiros. Isto representa um aumento ante a média de 975 durante o governo Trump e de 544 durante o primeiro mandato de quatro anos do presidente Obama.

“Os países se irritaram por décadas sob o domínio do dólar americano”, disse Jonathan Wood, diretor de questões globais da consultoria Control Risks. “O uso mais agressivo e expansivo das sanções dos EUA nos últimos anos reforça esse desconforto – e coincide com as demandas dos principais mercados emergentes por uma nova distribuição do poder global.”

A secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, reconheceu em entrevista à CNN em meados de abril que “há risco quando usamos sanções financeiras ligadas ao papel do dólar que, com o tempo, podem minar a hegemonia do dólar”.

Mas ela observou que o dólar “é usado como moeda global por outras razões, uma vez que não é fácil para outros países encontrarem uma alternativa com as mesmas propriedades”.

Os observadores do mercado concordam. Mesmo que mais países procurem diminuir sua dependência do dólar, poucos esperam que sua posição proeminente no comércio e finanças globais seja ameaçada em breve.

Por um lado, há poucos sinais de que qualquer outra moeda possa fornecer o mesmo nível de estabilidade, liquidez e segurança, dizem eles. Além do mais, a grande maioria dos aliados desenvolvidos dos EUA, representando mais de 50% do PIB (Produto Interno Bruto) global, mostrou pouca urgência em abandonar o dólar.

Na verdade, o dólar se recuperou em relação à maioria de seus principais pares desde que os EUA intensificaram suas sanções contra a Rússia no ano passado, um sinal de que qualquer declínio em seu status global provavelmente será um processo longo e lento.

“Não consigo ver nenhum ativo substituindo o dólar como moeda dominante, não já para a próxima geração”, disse George Boubouras, um veterano de mercado de três décadas e chefe de pesquisa da K2 Asset Management em Melbourne. “Nada chega perto do poder da economia dos EUA. A China tem problemas com o envelhecimento demográfico, e o euro tem lutado para realmente ganhar terreno. O dólar não será destronado no futuro próximo”.

Reação dos BRICS

Ainda assim, o ritmo de desdolarização continua inabalável no mundo em desenvolvimento.

O Paquistão pretende pagar as importações de petróleo russo em yuan, disse o ministro de energia do país no mês passado, enquanto no início deste ano os Emirados Árabes Unidos disseram que estavam em negociações iniciais com a Índia sobre maneiras de impulsionar o comércio não petrolífero em rúpias.

No início desta semana, os ministros das Relações Exteriores do grupo de nações BRICS discutiram como o bloco pode ganhar maior influência global, incluindo a viabilidade de criar uma moeda compartilhada.

“Sem dúvida, a desdolarização está se acelerando e continuará nos próximos anos”, disse Vishnu Varathan, chefe de economia e estratégia do Mizuho Bank em Cingapura. “Os EUA tomaram uma decisão calculada de usar o dólar para infligir dor, e é provável que haja consequências de longo prazo.”

 

Publicado por: https://www.infomoney.com.br/

Deixe sua opinião